Home   →   News   →   

21 setembro 2020

O retorno de Buda do Paraíso

Todos os anos, em 22 de setembro, celebramos o retorno de Buda do reino dos deuses do desejo, chamado "Terra dos Trinta e Três Paraísos", onde ele esteve para visitar sua mãe, que havia renascido lá.

Tradicionalmente, este dia também marca o fim do retiro de verão. Todos os anos, durante os meses de verão, Buda se dedicava a fazer um retiro de três meses com seus discípulos. A razão para isso era evitar ferir insetos e outros animais durante a estação chuvosa.

Se sairmos muito durante os meses de verão, naturalmente mataremos mais insetos e outros animais do que em outras épocas do ano. A natureza do Budadharma é compaixão – uma compaixão imparcial que não é apenas para com os seres humanos, mas para com todos os seres vivos, incluindo os animais.

Na verdade, devemos ter mais compaixão pelos animais do que pelos seres humanos, porque os animais sofrem mais. Os seres humanos têm melhores condições e são mais afortunados que os animais. Como os animais têm muito sofrimento e nenhuma liberdade, por compaixão os budistas devem tentar não matá-los ou perturbá-los.

Então, por três meses durante o verão, Buda aconselhou seus discípulos a fazerem retiro, permanecendo sempre dentro de casa e vivendo com cuidado e conscienciosamente.

Um ano, durante o retiro anual de Verão, Buda foi para a Terra dos Trinta e Três Paraísos. Após a morte da sua mãe, ela renasceu nesse reino dos deuses, assim chamado porque tem trinta e três tipos diferentes de deuses.

O rei desse reino é tem o título de Indra. O Indra que era rei naquela época era também discípulo de Buda, e convidou-o a ir para lá. Buda então foi beneficiar a sua mãe e também, a pedido de Indra, beneficiar os outros deuses que ali viviam. Ele permaneceu três meses e, depois, depois regressou neste dia.

Este dia é, portanto, muito especial. É dito que, se nos empenharmos em qualquer tipo de ação virtuosa neste dia, ela torna-se especialmente poderosa e o nosso mérito aumenta imensamente. Por exemplo, se oferecermos uma única oferenda de luz, esta ação é multiplicada para se tornar milhões de oferendas de luz.

Neste dia, devemos relembrar especialmente a bondade de Buda.

Temos agora uma sabedoria especial que compreende que matar animais é uma ação negativa; portanto, abandonamos a ação de matar. Temos agora uma sabedoria especial que compreende o que o amor é e que consegue distinguir entre amor e apego; portanto, tentamos abandonar o apego e aumentar o nosso amor. Assim, temos uma oportunidade maravilhosa de desenvolver uma compaixão imparcial por todos os seres vivos e, desta forma, podermos obter a realização especial da bodhichitta, que é a raiz da completa iluminação.

Temos agora a chance de abandonar o nosso agarramento ao em-si, que é a fonte de todo sofrimento e problemas. Temos a sabedoria que compreende o que é o autoapreço, como ele nos prejudica e como abandoná-lo. Todo esse conhecimento e todas as nossas realizações de sabedoria vêm da bondade de Buda Shakyamuni.

Extraído de uma palestra dada pelo Venerável Geshe Kelsang Gyatso Rinpoche neste dia, em 1991