A meditação me ajudou a abandonar a ansiedade avassaladora

Nathalie Delaney

Exausto o tempo todo

Eu lutei contra a ansiedade desde que me lembro. Eu estava tão familiarizado com o sentimento que me identificava com ele: "EU SOU uma pessoa ansiosa". Esse padrão de pensamento tornou-se uma parte necessária de como eu processava os desafios que enfrentava em minha vida. Eu acreditava que se tivesse controle sobre meu mundo externo e se tudo fosse perfeito lá fora, então eu seria feliz.

Muitas vezes, eu fazia piadas sobre minhas tendências ansiosas para não ter de encarar o fato de que me sentia impotente diante delas. De alguma forma, consegui manter minha cabeça acima da água por tempo suficiente para que os outros vissem na superfície que eu sabia nadar. Dominei a arte de suprimir meus sentimentos. Olhando para trás agora, eu estava exausto o tempo todo.

A preocupação roubou minha capacidade de me sentir feli

Trabalhar no setor de saúde durante uma pandemia global trouxe à tona um nível totalmente novo de medo e incerteza para mim, com o qual eu não estava preparado para lidar. Além dessa epidemia global, a crise habitacional da Irlanda estava piorando, aumentando minha ansiedade em relação à minha própria segurança futura. Eu passava a maior parte do tempo me preocupando com meu futuro e isso rapidamente roubou minha capacidade de me sentir feliz. Projetei meus medos nas pessoas mais próximas a mim e isso começou a afetar negativamente meus relacionamentos íntimos.

Eu estava em um estado de luta ou fuga, ficando mais desconfiado das pessoas e de como elas me viam. Tudo era uma ameaça e, não importava para onde eu olhasse, encontrava evidências que apoiavam essa percepção. Quanto mais desconectado dos outros eu me sentia, menor meu mundo se tornava. Essa emoção avassaladora, com a qual eu estava tão familiarizado, estava criando um novo tipo de impulso. Eu me sentia impotente, como se estivesse me afogando, só que dessa vez não conseguia remar para um lugar seguro. Comecei a ter ataques de pânico frequentes. Muitas vezes pensei comigo mesmo: "Certamente essa não pode ser a extensão da minha existência humana? - Eu pensava que os seres humanos sofrem e não há nada que possam fazer a respeito. Eu estava física e emocionalmente cansado de ser controlado e puxado por marés externas. Eu sabia que não podia mais fingir que estava no controle, não podia rir disso ou esperar que aqueles que eu amava me resgatassem e certamente não podia esperar que o mundo fosse perfeito para ser feliz.

Screenshot_20240504_205944_Instagram

Experimentando os benefícios da meditaçã

Até aquele momento da minha vida, nunca me considerei espiritualizado, mas tinha a sensação em meu coração de que algo estava faltando em minha vida, que havia outro caminho. Já tinha ouvido histórias e lido sobre os benefícios da prática de meditação no passado e decidi tentar. Pesquisei no Google sobre aulas de meditação em minha região e encontrei um Centro de Meditação Kadampa perto de mim. Participei de minha primeira aula de meditação em abril de 2021 e imediatamente me senti à vontade.

Apreciei a abordagem descontraída que o professor residente adotou ao transmitir o Dharma (ensinamentos de Buda) e o fato de não haver expectativas em relação a mim. Todos estavam ali por diferentes motivos pessoais, mas todos tínhamos uma coisa em comum: o desejo de ser verdadeiramente feliz, momento a momento.
Ouvi atentamente o Dharma sendo compartilhado e várias coisas ressoaram em mim durante aquela aula. O professor explicou que "onde quer que você se incline, acabará pousando naturalmente, basta reverter a inclinação com cuidado" e também que "você não é 'ansiedade', é um sentimento com o qual você está excessivamente familiarizado e, portanto, se identifica com ele". Durante minha primeira meditação guiada, senti minha mente começar a se acalmar e uma sensação de paz começou a surgir naturalmente. As coisas começaram a fazer sentido e as nuvens de confusão começaram a se dissipar. Percebi que estava me inclinando para as tendências de ansiedade e era aí que eu caía, todas as vezes. Pensei que se minha mente pode se sentir tão pacífica durante uma meditação curta, então minha mente não pode ser inerentemente ansiosa e posso começar a reverter a tendência. Naquele momento, senti uma mudança em minha mentalidade. Senti-me motivado e liberado pela ideia de que a ansiedade era apenas um sentimento temporário com o qual eu estava me identificando demais e que poderia aprender práticas para me ajudar a reduzir seu poder e, por fim, fazer com que ela cessasse.

AdobeStock_715612744

Minha mente está pacífica e clara

Quando comecei a praticar, achava difícil fazer meditações respiratórias simples. Minha mente estava muito ocupada e eu achava difícil me concentrar por longos períodos de tempo. Com uma abordagem gentil e relaxada, pratiquei de forma consistente e minha prática de meditação melhorou lentamente. A meditação me mostrou a verdadeira natureza da minha mente. Que ela é essencialmente pacífica e clara, que os sentimentos de ansiedade e medo são como nuvens no céu que posso aprender a abandonar e, por fim, me livrar delas. Comecei a perceber que essa habilidade recém-aprendida se infiltrava em minha vida cotidiana. Ela transformou a maneira como eu via a mim mesmo e aos outros, melhorando minhas interações com familiares, amigos, colegas e desconhecidos. Aprender a amar e a apreciar todos os seres vivos e a ser grato por essa preciosa vida humana me ajudou a me sentir mais conectado com os outros.

A meditação me ajudou a começar a viver verdadeirament

Todos os dias aprendo a aceitar melhor a maneira como as coisas realmente são. Descobrir que a verdadeira felicidade vem de dentro e que não depende de fatores externos tem sido uma experiência profundamente libertadora para mim. De modo geral, o Dharma e a prática diária da meditação me ajudaram a começar a viver de verdade. Estou aprendendo a me tornar mais presente e acredito profundamente que esse caminho pode me ajudar a ser consistentemente feliz e pacífico, independentemente do que aconteça em minha vida.

Embora minha vida não esteja completamente livre de emoções negativas, posso dizer com confiança que elas não me dominam mais como antes. Desde minha primeira aula de meditação, não tive um único ataque de pânico nem me senti como "uma pessoa ansiosa". Entrei no Programa Fundamental para aprofundar minha compreensão da prática budista Kadampa e posso dizer com sinceridade que nunca mais olhei para trás.

Nathalie frequenta o Centro de Meditação Kadampa em Dublin
Encontre um Centro Kadampa perto de você.

COMPARTILHE SUA JORNADA DE DHARMA

Se você tem uma história pessoal sobre o impacto positivo do Dharma em sua vida e gostaria de compartilhar com a comunidade, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco.  Você pode enviar sua história por e-mail para [email protected].  Estamos ansiosos para ouvir de você e compartilhar sua jornada inspiradora com outras pessoas.